18 de janeiro de 2011

Cântico dos Cânticos

- Quem me busca a essa hora tardia?
- Alguém que treme de desejo.
- Sou teu vale, zéfiro, e aguardo
Teu hálito... A noite é tão fria!
- Meu hálito não, meu bafejo,
Meu calor, meu túrgido dardo
- Quando por mais assegurada
Contra os golpes de Amor me tinha,
Eis que irrompes por mim deiscente...
- Cântico! Púrpura! Alvorada!
- eis que me entras profundamente
Como um deus em sua morada!
- Como a espada em sua bainha.

Nenhum comentário: