11 de outubro de 2010

As Três Marias

Atrás destas moitas,

Nos troncos, no chão,

Vi, traçado a sangue,

O signo-salmão!


Há larvas, há lêmures.

Atrás destas moitas.

Mulas-sem-cabeça,

Visagens afoitas.


Atrás destas moitas

Veio a Moura-Torta

Comer as mãozinhas

Da menina morta!


Há bruxas luéticas

Atrás destas moitas,

Segredando a aragem

Amorosas coitas.


Atrás destas moitas

Vi um rio de fundas

Águas deletérias,

Paradas, imundas!


Atrás destas moitas...

- Que importa? Irei vê-las?

Regiões mais sombrias

Conheço. Sou poeta,

Dentro d’alma levo,

Levo três estrelas,

Levo as Três Marias!


Petrópolis, 2 de janeiro de 1950

Um comentário:

Anônimo disse...

Excelente Blog! Um oásis! Parabéns!

Sim, eu tenho um poeta predileto: Manuel Bandeira.