29 de março de 2010

Soneto Plagiado de Augusto Frederico Schmidt

E de súbito n’alma incompreendida
Esta magoa, esta pena, esta agonia;
Nos olhos ressequidos a sombria
Fonte de pranto, quente e irreprimida.

No espírito deserto a impressentida
Misteriosa presença que não via;
A consciência do mal que não sabia,
Aparecida, desaparecida...

Ate bem pouco, era uma imagem baça.
Agora, neste instante de certeza,
Surgindo claro, como nunca o vi!

E nesse olhar tocado pela graça
Do céu, não sei que angélica pureza
- Pureza que não tenho, que perdi.

Nenhum comentário: