9 de março de 2010

Canção de Muitas Marias

Uma, duas, três Marias,
Tira o pé da noite escura.
Se uma Maria é demais,
Duas, três, o que não seria?

Uma é Maria da Graça,
Outra é Maria Adelaide:
Uma tem o pai pau-d’água,
Outra tem o pai alcaide.

A terceira é tão distante,
Que só vendo por binóculo.
Essa é a Maria das Neves,
Que chora e sofre do fígado.

Há mais Marias na terra.
Tantas que é um não acabar,
- Mais que as estrelas do céu,
Mais que as folhas na floresta,
Mais que as areias no mar!

Por uma saltei de vara,
Por outra estudei tupi.
Mas a melhor das Marias
Foi aquela que eu perdi.

Essa foi a Maria Cândida,
(Mária digam por favor),
Minha Maria enfermeira,
Tão forte e morreu de gripe,
Tão pura e não teve sorte,
Maria do meu amor.

E depois dessa Maria,
Que foi cândida no nome,
Cândida no coração;
Que em vida foi a das Dores,
E hoje é Maria do Céu.:
Não cantarei mais nenhuma,
Que a minha lira estalou,
Que a minha lira morreu!

2 comentários:

Anônimo disse...

Obrigada por seu precioso blog!
Bandeira é meu poeta favorito.

Punksauro Nei disse...

De nada.